HQ de Mauricio de Souza, sete pecados e HORÁCIO


Indiscutível exemplo de HQ bem sucedida do Brasil, a HQ infantil da Turma da Mônica é comercial, industrial, produção em linha de montagem. Mônica e sua turma são empregados em merchandising de molho de tomate, sabonete, shampoos, lancheiras, chocolates e inúmeros outros produtos.

Tais personagens são tipos estereotipados, e há incríveis semelhanças destes com os Pecados Capitais, os vícios com os quais os demônios tentam os homens.

A Demonologia (estudo cristão medieval que analisa os tipos de demônios existentes, catalogando-os em tipos) permite a analogia dos personagens de Maurício de Souza com os pecados e os diabos da Igreja Católica, os adversários de Cristo.

Desta forma, temos:

MÔNICA = sempre zangada, resolve os problemas à base de violência física, é o pecado da Ira e o demônio correspondente é Satã;

MAGALI = come sem medida,é o pecado da Gula e seu demônio é Belzebud;

CEBOLINHA = tem ciúme da posição de líder da Mônica e sempre tenta atraiçoá-la, é o pecado da Inveja e seu demônio é Leviatan;

CHICO BENTO = sempre dormindo, não quer trabalhar , é o pecado da Preguiça e o demônio é Belfregor;

FRANJINHA = pedante e vaidoso, orgulhoso e arrogante de suas invenções, acha-se melhor que os outros, é o pecado da Soberba e seu demônio é Lúcifer;

SOUZA = namorador, persegue as moças e faz tudo para vê-las nuas, é o pecado da Luxúria e seu demônio é Asmodeu;

CASCÃO = sujo, nunca toma banho, é o demônio Gressil, espírito-imundo que tenta com a sujeira e o desleixo.

É impossível afirmar que tais semelhanças sejam mera coincidência ou que sejam planejadas. De qualquer forma, instinto ou pesquisa, o fato é que existe a relação e é evidente e óbvia demais para ser ignorada.

Os efeitos nos leitores infantis pode ser objeto de futuras pesquisas.

Embora todos critiquem a qualidade da obra de Maurício, e seus poucos escrúpulos em comercializar a imagem dos personagens em produtos, prostituindo-os e manipulando o afeto das crianças - que são subliminarmente sugestionadas a comprar os produtos -, o fato é que Maurício é um artista da HQ nacional.

Pode-se questionar como, já que ele sequer desenha as histórias, que são entregues a uma equipe de operários anônimos.

Pois um pesquisador provou que a obra de Maurício é HQ de arte, de autor, um trabalho pessoal de excepcional qualidade artística.

Foi o professor Robson Bastos da Silva, na Dissertação de Mestrado "Uma leitura Filosófico-Existencialista do personagem Horácio de Maurício de Souza", do Instituto Metodista de Ensino Superior, apresentada em 1990.


Robson percebeu que Horácio, o tiranossauro vegetariano, não é dirigido ao público infantil, mas que ele é um dinossauro que vive em permanente crise de identidade, crise existencial, questionando e filosofando.

Nos balões, há frases da filosofia Existencialista de Jean-Paul Sartre, monólogos ecológicos que explicam seu sucesso no Japão.


O leitor adulto pode ser estimulado à auto-avaliação e entender seu papel no mundo.

Horácio seria a negação de toda a obra alienante de Maurício, com o autor nele se redimindo pela obra comercial.

Maurício pessoalmente cria os argumentos, diálogos, roteiros e desenha as HQ's de Horácio, e não admite entregá-lo à equipe impessoal, chegando a afirmar:"Horácio sou eu".

Tal carinho indica seu apego emocional, sua visão crítica da humanidade, sua angústia e solidão, náusea existencial de artista sensível agredido por pessoas invejosas de seu sucesso.

Observe-se o desenho do personagem, a cabeça redonda enorme, os braços curtos e as pernas dobradas, muito parecido com um feto. Horácio está sempre em posição fetal, e suas proporções são as mesmas de um embrião em gestação.

Ele habita uma caverna que mais parece um útero, vive em um mundo pré-histórico, primitivo, enorme, lembra o ponto de vista de uma criança pequena.

Talvez Horácio represente o desejo de Maurício de voltar à infância e feliz em Mogi das Cruzes, interior de São Paulo. Talvez neste personagem o artista sublime uma Síndrome de Peter Pan, regressividade.

Graças ao genial Horácio pode ser corrigida a injustiça de considerar Maurício de Souza um mero mercenário da HQ comercial.

Robson Bastos da Silva ajuda a redimir Maurício, colocando-o na galeria dos artistas da HQ brasileira ao lado de Henfil, Nico Rosso, Sérgio Macedo, Watson Portela e outros.

BIBLIOGRAFIA

TISSERON, Serge. TinTin no psicanalista. Portugal, Bertrand, 1987.

SILVA, Robson Bastos da. Uma leitura filosófico-existencialista do personagem Horácio de Maurício de Souza. Dissertaçào de Mestrado, Instituto Metodista de Ensino Superior, 1990.

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

DOUTOR ESTRANHO na coleção de historias em quadrinhos de Flávio Calazans