Síndrome de Stendhal - doença da ARTE

Só copiei e colei.

"Síndrome de Stendhal"

A primeira vez que ouvi sobre essa síndrome foi em uma parte que vi de um filme do diretor italiano Dario Argento. O nome do filme já aborda o tema – La Sindrome di Stendhal (1996).
Naquela época fiquei com dúvidas se a síndrome existia ou era uma invenção do roteiro, agora resolvi verificar na Wikipedia e econcontrei a descrição…
A Síndrome de Stendhal é uma doença psicossomática que causa aceleração cardíaca, tonturas, confusão e até mesmo alucinações quando o indivíduo é exporto a artes, especialmente quando a parte é particularmente bela ou se existe uma grande quantidade de obras de arte em um único local.
A síndrome recebeu este nome pois o famoso autor francês Stendhal (pseudônimo de Henri-Marie Beyle) do século XVI, descreveu essa sensação durante sua visita a Florença em 1817 em seu livro Naples and Florence: A Journey from Milan to Reggio.
Embora existam diversas descrições, datando do século XVI, de pessoas ficando tontas e desmaiando enquanto admiram arte Florentina, especialmente em Uffizi; mas somente em 1979 foi descrita e nomeada pelo psiquiatra Graziella Magherini, que observou e descreveu mais de 100 casos similares em turistas e visitantes de Florença."

http://www.gluon.com.br/blog/2007/03/26/stendhal-sindrome/


"Síndrome de Stendhal, síndrome da sobredose de beleza. É uma doença psicossomática bastante rara, caracterizada por aceleração do ritmo cardíaco, vertigens, falta de ar e mesmo alucinações, decorrentes do excesso de exposição do indivíduo a obras de arte, sobretudo em espaços fechados.[1]

O nome da síndrome se deve ao escritor francês Stendhal (pseudônimo de Marie-Henri Beyle) que, tendo sido acometido dessa perturbação em 1817, fez a primeira descrição detalhada dos seus sintomas, posteriormente publicada no livro Nápoles e Florença: uma viagem de Milão a Reggio. Após observar por muito tempo alguns afrescos, descreveu sua experiência como: "Absorto na contemplação de tão sublime beleza, atingi o ponto no qual me deparei com sensações celestiais. Tive palpitações, minha vida parecia estar sendo drenada...".

http://pt.wikipedia.org/wiki/S%C3%ADndrome_de_Stendhal

"Postado por Glaise Franco Marcadores: Psiquiatria

A Síndrome de Stendhal caracteriza-se pelo surgimento súbito de diversos sintomas simultâneos (vivências estranhas, por vezes acompanhadas de sintomas físicos, sensação de profunda emoção, seguida de um leve entorpecimento, desorientação têmporo-espacial momentânea, sudorese profusa e desrealização) mediante a exposição do indivíduo à contemplação de uma ou mais obras de arte.
Esta Síndrome recebeu o nome de Stendhal, pseudônimo do escritor que em 1817 foi à Florença (Itália) e ao visitar a igreja de Santa Croce foi tomado de estranha combinação de sintomas e emoções, com palpitações e tonturas. Descreveu o que sentiu assim (em dois trechos de diário da
viagem, que chamou de “Nápoles e Florença: Uma viagem de Milão a Reggio”):



Florença, 22 de janeiro de 1817: Ao chegar a Florença, meu coração batia com força... em uma curva da estrada, meu olho mergulhou na planície e percebi, de longe, como uma massa escura, Santa Maria Del Fiori e sua famosa cúpula, obra-prima de Brunelleschi. Eu me dizia:

‘É aqui que viveram Dante, Michelangelo, Leonardo da Vinci! Eis esta nobre cidade, a rainha da Idade Média! É nesses muros que começou a civilização”... as lembranças se comprimiam em meu coração, sentia-me sem condição de raciocinar e entregava-me à minha loucura como junto de uma mulher a quem se ama... Eu já me encontrava em uma espécie de êxtase pela idéia de estar em Florença e pela vizinhança dos grandes homens dos quais eu acabava de ver os túmulos [Michelangelo, Alfieri, Machiavel, Galileu]... Absorvido na contemplação da beleza sublime, que via de perto, eu a tocava, por assim dizer. Tinha chegado ao ponto da emoção onde se encontram as sensações celestes proporcionadas pelas belas-artes e os sentimentos passionais. Saindo de Santa Croce, meu coração batia forte, o que em Berlim chama-se "nervos"; a vida esgotara-se em mim, eu andava com medo de cair...”

Fiódor Mikhailovitch Dostoiévski diante do quadro O Cristo Morto, de Hans Holbein, o jovem, num museu da Basiléia descrito por sua segunda esposa Anna Grigoriévna Sniktina, em dados biográficos e na análise do entusiasmo com que o príncipe Míschkin, personagem principal do romance O Idiota, demonstra pelo quadro, na própria descrição que Dostoiévski fez dessa obra de arte, apresentou a Síndrome de Stendhal também. Sua esposa registrou em diário a perturbação do escritor:

"A visão do rosto inchado de Cristo após seu martírio desumano era terrível. (...) Fiodor permaneceu em pé diante do quadro com uma expressão oprimida. Olhá-lo me fazia mal, então fui para outra sala. Voltei 20 minutos depois e ele ainda estava lá, na mesma posição diante do quadro. Seu olhar exprimia medo. Levei-o para outra sala, ele se acalmou lentamente, mas insistiu ainda em tornar a ver o quadro que tanto o perturbara".

Em 1989 a psiquiatra italiana Graziella Magherini após catalogar 106 casos de pacientes, todos eles viajantes que foram a Florença pela primeira vez, no serviço de saúde mental do Hospital de Santa Maria Nova (Florença) descreveu e nomeou esta Síndrome.

A Dra. Graziella então percebeu que uma vez exposta a obras de arte a pessoa apresenta:

•angústia
•confusão mental
•senso de desagregação (despersonalização, desrealização)
•ilusões e alucinações

•ataques de pânico (vertigens, taquicardia, falta de ar, medo de morrer....)
É evidente que somente estão propensos à sindrome os que valorizam as artes.

E o prognóstico geralmente é bom sendo frequente a remissão rápida, sobretudo entre os mais jovens. Entretanto, a depender dos sintomas pode levar algum tempo para haver a remissão: os que apresentaram dissociações psicóticas, idéias de perseguição ou alucinações têm sete vezes mais chance de não se recuperar rapidamente, comparados aos que tiveram apenas distúrbio afetivo ou sintomas depressivos.

Algumas pessoas chegam a pensar que estão enfartando, outras desmaiam, há as que apresentam dissociações e saem vagando pela cidade como errantes e aquelas que apresentam sintomas psicóticos chegam mesmo a tentar destruir as obras de arte."




http://dicionariodesindromes.blogspot.com/2010/01/sindrome-de-stendhal.html

Comentários

  1. Céus!
    Assim não poderei realizar meu sonho de ir a Florença, pois assim que avistar o Arno vou ficar completamente maluca...rsrs

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

DOUTOR ESTRANHO na coleção de historias em quadrinhos de Flávio Calazans

"Pátria Armada: Visões de Guerra" tem lançamento com quadrinho de Flavio Calazans