Cinemade Autor - parte um

"Nossa geração tem consciência, queremos fazer filmes
anti-industriais, queremos fazer filmes de autor,
quando o cineasta passa a ser um artista comprometido
com os grandes problemas do seu tempo."
Glauber Rocha

Hollywood é a rede da indústria cinematográfica norte-americana, fábrica de filmes em linha de montagem, comerciais que querem vender ingressos e agradar o público; anestesiar e alinhar politicamente é sua razão de ser e função.

O sistema não é perfeito, por isso surge um diretor importado da Europa como Paul Verhoeven, cuja mensagem pessoal é o reencontro consigo mesmo, a reconquista da humanidade perdida e corrompida pelo mundo violento. Esta é a mensagem e argumento de um Robocop ou Show Girls, mesmo que restrita à última fala da cena final, quando Murph fala seu nome próprio ou a dançarina volta à estrada, dando as costas ao pseudo-sucesso.

Ao contrário dos EUA, na Europa, Japão e América Latina surge o cinema de arte ou cinema de autor.

Cinema de autor é um tipo de cinema onde o diretor escreve o roteiro e dirige os atores, é uma obra pessoal, viva, humana, visceral, atual e tocante; o nome do diretor garante um estilo de filme, como Tim Burton, Terrry Gillian, Spilberg, Hitchcock, Zé do Caixão, Walter Hugo Khouri, Glauber Rocha.

Estilo é uma visão de mundo, uma filosofia de vida, política e social, é um modo de escolher atores (Felini), movimentar a câmera (Raimi), usar sangue em câmera lenta (Peckinpah), longos travelings (Hitchcock), multidões (Kurosawa) ou fazer metáforas poéticas (Terry Gilliam); ou seja, a técnica a serviço da mensagem para sensibilizar, tocar nossa consciência.

Sensibilidade e gosto estético não são somente inatos, sensibilidade pode ser apurada, educada, aumentada pelo exercício, ser refinada para a contemplação e o prazer estético de apreciar arte, ser sutil e inteligente, sofisticado.

Por isso um diretor-autor com ritmo lento pode parecer chato ou difícil no começo, mas é idêntico ao que acontece quando experimentamos um prato diferente: a gente estranha um pouco mas vai se acostumando ao sabor... quem sempre comeu no McDonalds estranha um estrogonofe com vinho, mas depois de várias vezes aprende a gostar, a degustar, ser até gourmet e tirar o máximo prazer da vida.

Este é outro segredo do cinema de autor: é preciso assistir 4 ou 5 filmes do diretor para ir se acostumando a linguagem dele, aos temas, ao estilo pessoal criado e que é perceptível em cada filme.

Torna-se necessário analisar um conjunto de filmes para perceber a autoria que pode estar no tom, nas cores, no clima; como a neve em Tim Burton (Eduard Mãos de Tesoura, Batman I e II, Estranho Mundo de Jack).

Assim, o cinema de autor gera uma obra tão pessoal como a pintura ou poesia, seu diretor é um autor como poderia ser autor de peças teatrais como Sheakspeare ou Nelson Rodrigues.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

DOUTOR ESTRANHO na coleção de historias em quadrinhos de Flávio Calazans

HQ de Mauricio de Souza, sete pecados e HORÁCIO